O Fascismo Nosso de Cada Dia

Há alguns dias atrás, ainda nessa semana, escrevi sobre nosso atual presidente eleito, Jair Bolsonaro. Complementando o que eu disse, neste post, quero falar de um problema endêmico da sociedade brasileira: o fascismo.
No inconsciente coletivo do brasileiro comum ele sempre imagina que haverá um salvador, um grande presidente, um grande "resolvedor dos problemas da sociedade brasileira", um grande pai da nação. Primeiro: nosso Estado não é nação (explicarei isso em um outro post). Segundo: o fascismo não tem lado. Ele pode surgir a partir de um grupo de esquerda ou de um grupo de direita.
Penso que nosso sentimento por um grande "pai"da nação começou com Dom Pedro I e sua figura foi sempre sendo, de certa forma, refletida nos líderes que o sucederam.
Não há como não lembrar do nosso mais famoso fascista, Getúlio Vargas, que, de certa forma, trouxe progresso para o Brasil e grandes progressos na economia e em diversos outros setores da sociedade. Ao passo que há quem diga que a ditadura da era Vargas foi muito mais sangrenta do que a ditadura que vivemos a partir de 1964.
Vargas é frequentemente lembrado: seu nome estampa diversos locais e avenidas importantes, sem contar a FGV.
Não só Vargas, mas diversos generais são lembrados.
Vargas merece tal notabilidade? Em minha visão, óbvio que não!
É claro que romantizaram muito a morte de Vargas e penso que ele realmente não foi o corrupto que pintaram na época. Suicidou-se... e muitos o valorizam por isso, quando deveria ser o contrário, ele deveria ter enfrentado de frente o que viesse. Mas, remanesceu no inconsciente coletivo como líder forte, progressista e de pulso firme. Ainda falarei em um outro post sobre a figura de Vargas. O que quero dizer aqui é que é este reflexo que o Brasil tenta encontrar em um presidente: o reflexo de um populista que fez algo por todos, ricos e pobres.
Gosto muito de Lula, mas, penso que um grande erro da política lulopetista foi este: centralizar tudo em Lula e fazer dele o "grande" pai do Brasil. Que é o que tentaram e tentam fazer com Bolsonaro, porém, este não tem habilidade política e background para alcançar tamanha importância.
Concordo com Demétrio Magnoli quando este diz que o lulopetismo foi conservador justamente por este feito.
Lula gerou tanto otimismo e tanta importância que elegeu Dilma, uma grande mulher, mas com poucas habilidades políticas e de liderança, não soube sustentar o legado.
E sou otimista em dizer que é bem provável que Lula ainda eleja mais alguém. Talvez Fernando Haddad, talvez Flávio Dino, talvez Eduardo Cardoso...
Penso que isso não é de todo mal porque Lula vem respeitando as regras democráticas, faz isso por meio do voto limpo e honesto, sem fake news, se mantém como cabo eleitoral de peso, e, diga-se de passagem, que peso.
Mas, pensemos: precisamos de salvadores como Lula para nos dizer em quem votar? Precisamos de cabos eleitorais? Precisamos de pessoas como Jair Bolsonaro para apenas falacear que é um grande líder quando não tem nenhuma herança histórica que suporte isso?
Chegamos a um ponto que o nosso problema de "achar um herói" tem duas faces: uma é Lula e outra é Bolsonaro.
Lula soube resgatar um pouco do prestígio econômico da era Vargas. Já Bolsonaro surgiu do ódio ao Lula. Ódio porque o pobre nunca pode andar de avião, nunca pode ter um carro zero, uma residência sua, ir para a universidade, ter uma oportunidade, seja com o bolsa família ou com o aumento da oferta de empregos. E Bolsonaro não tem conseguido sustentar o fardo, ainda mais em meio a uma inesperada pandemia, que o faz perder totalmente a noção do que é governar e do que é uma democracia.
Todo brasileiro é um pouco fascista porque sempre temos um grande herói em mente. Cobiçamos, invejamos os americanos, e tentamos, de uma forma desordenada e tacanha, reproduzir o nacionalismo que existe lá, aqui.
Lembremos: americanos são saem para fazer manifestações com camisetas de futebol, que é um esporte tomado pela corrupção, inclusive a própria CBF não tem um histórico bom, diga-se de passagem.
Sejamos republicanos e democratas (é possível).
Que Lula seja lembrado, mas não idolatrado. Que Bolsonaro pague pelos crimes que cometeu e se for provado que sua chapa subiu com promoção sistemática de fakenews, que pague o preço disso. Justiça não é só julgar, Justiça é permitir que haja Justiça, permitir que tudo seja apurado, investigado e explicado.
Deixemos nosso fascismo de cada dia na lata do lixo onde colocamos as nossas ignorâncias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filme Nise - O Coração da Loucura

Nível atual da rede SENAI

Comprar Sem Se Vender